Consórcio lança página no LinkedIn para conversar com clientes ÓTIMO e mostrar que o setor de transporte é um segmento com propósitos
30 de novembro de 2020
Este ano, o Papai Noel vai chegar de ônibus
19 de novembro de 2021

SINTRAM celebra Dia do Motorista com mais de 25 mil empregos gerados em 20 anos

25 de julho é Dia do Motorista

Sindicato defende que a maneira mais justa de homenagear a classe é propiciar condições dignas de trabalho

A carteira de trabalho tem um único registro. É guardada com carinho em uma caixinha no guarda roupa, entre fotos e lembranças de uma vida inteira construída com a profissão de motorista de ônibus.

E o sonho de conduzir veio da infância. Desde pequeno, Aniel Alves, gostava de observar os ônibus que passavam na rua. Com apenas 14 anos e convicto do que queria, percorreu várias garagens de ônibus pedindo emprego, até que conseguiu sua primeira oportunidade no dia 15 de agosto de 1972. Já são quase 50 anos de dedicação ao ofício que lhe deu tudo o que ele tem hoje.

“Minha maior conquista foi ter chegado aos 49 anos de coletivo, com os filhos encaminhados e também gostando de ônibus. Acho que não tem bem maior que esse, graças a Deus. Pretendo trabalhar até agosto de 2022, quando eu completo 50 anos de trabalho em coletivos. Tenho dois filhos, um trabalha aqui na empresa, a outra trabalha no ÓTIMO. Eu agradeço por tudo e por todos os amigos que eu tenho aqui, porque são meus amigos mesmo.” Afirma.

O sonho e a felicidade de ser motorista só foram possíveis porque Aniel conseguiu um emprego formal. Se não fosse, ele teria que abrir mão do trabalho e buscar outro que garantisse à ele as condições necessárias para sustentar a sua família.

“Se você trabalhar numa coisa sem garantia, é muito inseguro. Eu prefiro trabalhar como eu sempre trabalhei, em uma empresa formal, é melhor. Tudo que eu tenho até hoje foi conquistado com o meu trabalho, casa, carro, todas as coisas que eu possuo. ” Pontua.

A forma mais justa de homenagear os motoristas em seu dia é oferecendo à eles condições dignas de trabalho. Os profissionais do transporte coletivo regular possuem todos os direitos trabalhistas assegurados: carga horária compatível com a função, plano de saúde, férias, descanso remunerado, capacitação e todas as garantias estabelecidas pela CLT.

O SINTRAM preza pela legalidade e se orgulha de empregar formalmente milhares de homens e mulheres, esteios de família. Mas nesta data tão simbólica, é preciso lembrar dos motoristas que vivem a mercê da sorte. É preciso discutir soluções para que todos os profissionais desta categoria possam usufruir de seus direitos, o que atualmente, só é possível para aqueles que tem um emprego formal, regido pela CLT.

Os motoristas que trabalham com transporte por aplicativo, por exemplo, cumprem jornadas exaustivas. Não recebem amparo das empresas e nenhum tipo de garantia. O valor repassado pelas plataformas de transporte é baixo e esses profissionais precisam ficar horas e horas no volante para conseguir um valor satisfatório para atender as suas necessidades.

E uma situação ainda mais grave é a dos que precisam encarar o transporte clandestino para conseguir alguma renda. Eles se expõe ao perigo, conduzindo carros que não são submetidos a fiscalização e muitas vezes, nem a manutenção inerente a qualquer veículo é feita por motivos de economia. Esses condutores não possuem nenhum tipo de direito, visto que estão dentro de uma atividade irregular.

Além disso, os passageiros também são expostos a uma diversa gama de perigos pois na clandestinidade os motoristas não comprovam aptidão para conduzir, não são submetidos a exames físicos, toxicológicos, psicológicos e também não passam por cursos de qualificação.

O preço atrativo das passagens é só a fachada de uma prática criminosa, que não cumpre nenhum pré requisito que garanta a segurança dos usuários do transporte. Frequentemente acompanhamos nos noticiários acidentes envolvendo clandestinos, e muitas vezes, os relatos são de veículos em péssimas condições de uso, pneus carecas, motoristas inabilitados e com a CNH vencida.

E neste cenário, quantas vidas já foram perdidas? Só no ano passado foram mais de 3600 mortos nas rodovias federais devido a irresponsabilidade das “empresas” clandestinas, que não investem em segurança afim de reduzir custos.

Assim, o SINTRAM se orgulha por empregar formalmente nos últimos 20 anos mais de 25 mil profissionais, e assim contribuir diretamente para o sustento de centenas de famílias. Sem dúvida, esta é a maneira mais justa de valorizar e homenagear esse profissional, tão fundamental para as cidades.

Todas as atividades ligadas ao desenvolvimento da sociedade dependem do transporte para acontecer, assim, os motoristas, além de conduzir passageiros, conduzem a força motriz do progresso.

É dentro do ônibus que a prosperidade começa. Por isso, é mais que justo enaltecer os motoristas, que diariamente, se empenham para transportar vidas e sonhos com segurança!