Nota ao portal RibeirãodasNeves.net – Roleta dupla
25 de janeiro de 2018
Nota à TV Record – Evasão no sistema de transporte
29 de janeiro de 2018

Artigo ao jornal O Tempo – Tecnologia em ascenção

Bilhetagem eletrônica: tecnologia em ascensão

Rubens Lessa Carvalho, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram)

Tendência em diversas metrópoles do Brasil e do mundo, a adoção do sistema de bilhetagem eletrônica potencializa o desempenho do transporte coletivo por ônibus. Na região metropolitana de Belo Horizonte, o sistema começou a ser implantado no início dos anos 2000 e, já em 2008, estava presente na totalidade das linhas operadas pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), garantindo mais agilidade e segurança aos usuários durante a prestação do serviço.

A adoção das novas tecnologias que resultaram no uso do cartão eletrônico para cobrança das tarifas traz uma série de vantagens a passageiros e motoristas. Além de possibilitar uma maior agilidade no embarque, já que basta o usuário aproximar seu cartão do equipamento validador próximo à roleta, o sistema também favorece mais segurança pela retirada do dinheiro em circulação dentro dos ônibus, reduzindo o risco de assaltos. Outra vantagem é que a tecnologia permite um melhor gerenciamento da rede, possibilitando o aprimoramento dos serviços.

Nos últimos anos, o alto investimento no sistema por parte das empresas e o crescente número de usuários que passaram a utilizar o cartão possibilitaram a substituição dos cobradores nas linhas em que se verifica que a absoluta maioria dos passageiros faz uso do meio eletrônico. Com a implantação da tecnologia e a consequente agregação de novos custos ao sistema, a manutenção do cobrador acabaria sendo repassada ao usuário pelo cálculo tarifário, tornando inviável o transporte. Sendo assim, optou-se pela realocação dos profissionais, que, gradativamente, após qualificação e treinamento, foram sendo absorvidos em outras funções dentro das empresas,como motoristas, mecânicos eagentes de estação.

Vale ressaltar que a ausência do cobrador é prevista no instrumento normativo da categoria, que prevê um adicional de 20% sobre o salário base dos motoristas que passaram a realizar a cobrança da passagem. OCódigo de Trânsito Brasileiro prevê a atividade pelo motorista, desde que o veículo não esteja em movimento. Além disso, o Supremo Tribunal Federal já confirmou, por unanimidade, a legalidade do acúmulo de função no transporte coletivo de passageiros.

Na RMBH, a bilhetagem eletrônica tem crescido e já ultrapassou a marca dos 3,2 milhões de cartões Ótimo emitidos. Para o Sintram, continuar oferecendo um serviço de qualidade aos usuários é fundamental e, por isso, o aprimoramento do trabalho paratornar o cartão mais popular, via aplicativos e facilidades on-line, é constante.